O Abolicionismo

O Abolicionismo Popular E Book, O Abolicionismo By Joaquim Nabuco This Is Very Good And Becomes The Main Topic To Read, The Readers Are Very Takjup And Always Take Inspiration From The Contents Of The Book O Abolicionismo , Essay By Joaquim Nabuco Is Now On Our Website And You Can Download It By Register What Are You Waiting For Please Read And Make A Refission For You Escrito em 1883, O Abolicionismo um dos livros fundamentais para se compreender o Brasil Isso n o exagero e n o pouca coisa Filho da elite pernambucana, Nabuco foi capaz de captar o que havia de errado com o Brasil Mais do que o errado naquele momento, era o que havia de errado estruturalmente E que de certa maneira permanece A escravid o mais do que ser um dos fatos causadores da nossa natureza, era para ele a causa, o elemento fundador do pa s e diretamente respons vel pela economia, a organiza o social e a estrutura de classes, o Estado e o poder pol tico, a pr pria cultura E mais do que isso, a escravid o, em toda a sua perversidade, em toda a sua abomina o, a respons vel por todos os nossos males No posf cio dessa edi o, o professor Jean M Carvalho Fran a observa que O cativeiro, argumenta o pernambuco Nabuco , n doa que a m e p tria imprimiu na pr pria face, amesquinhou o crescimento econ mico do pa s, corrompeu moralmente brancos e negros, impediu a coes o social, acostumou os brasileiros ao servilismo e adula o nas rela es pol ticas, enfim, legou nos uma base podre sobre a qual insistentemente e com resultados med ocres tentamos
Incr vel pensar que em 1883 o Brasil ainda precisasse de livros assim A simples exist ncia dessa obra de Joaquim Nabuco j denuncia o atraso da nossa p tria amada atraso esse que permanece at hoje, diga se de passagem O que mais gostei no livro foi a paix o com a qual Nabuco escreve, s vezes utilizando uma linguagem quase liter ria e construindo passagens realmente muito bonitas, que tocam o leitor no campo, isolado do mundo, longe da prote o do Estado, sem ser conhecido de nenhum dos agentes deste, tendo apenas o seu nome de batismo matriculado, quando o tem, no livro da coletoria local, podendo ser fechado num calabou o durante meses nenhuma autoridade visita esses c rceres privados ou ser a oitado todos os dias pela menor falta, ou sem falta alguma merc do temperamento e do car ter do senhor, que lhe d de esmola a roupa e alimenta o que quer, sujeito a ser dado em penhor, a ser hipotecado, a ser vendido, o escravo brasileiro literalmente falando s tem de seu uma coisa a morte A indigna o do autor se transmite facilmente, e o sentimento s aumenta quando pensamos que as consequ ncias da escravid o existem at hoje Nabuco utiliza uma linguagem simples e por vezes po tica, que faz com que o livro flua sem dificuldade, ao mesmo tempo em que ele cria uma consci ncia neces
Uma obra cl ssica do s culo XIX e indispens vel para entender o Brasil O estadista Nabuco apresenta a causa da aboli o da escravatura, tentando convencer, em especial, o partido liberal que defendia a escravid o com base no valor da propriedade privada O autor, que tamb m era um liberal,
O autor pleiteia a aboli o da escravatura, enxergando nesta o principal fundamento do nosso atraso Interessa a Nabuco mostrar a escravid o em sentido lato como categoria anal tico hist rica , uma totalidade que perpassa os planos pol ticos, culturais, econ micos e psicol gicos em ltima inst ncia, a antinomia escravid o aboli o hom loga ao par atraso modernidade.Tomar a escravid o em sentido lato, ou a escravid o como institui o total, significa n o v la apenas como a rela o entre senhor e escravo, mas tamb m a sociedade estamental atrasada cuja totalidade da vida social encontra se sob o poderio de uma minoria aristocr tica Assim, o com rcio, a religi o, a pobreza, a ind stria, o parlamento, a coroa, o Estado, est o submetidos a uma minoria que mant m o regime escravocrata Diz respeito, ent o, a um esp rito atrasado e, por isso, a aboli o s ser far poss vel mediante a reeduca o dos esp ritos.Assim o abolicionismo proposto por Nabuco tamb m em sentido lato seria a emerg ncia do povo livre e, da , apto a se autogovernar H um n tido compromisso com a ilustra o iluminista e com as prerrogativas dos direitos do homem A no o de civiliza o moderna, atrelada ao direito natural do homem tomada como um valor em si mesma p 89 e, portanto, seria o melhor caminho no sentido de reconstruir a na o sob pilares da liberdade e da igualdade Nas palavras do autor, obra de repara o, vergonha ou
Livro propaganda escrito h mais de 100 anos e ainda atual.